Sakata reforça Pesquisa para desenvolvimento de variedades compatíveis com sistema hidropônico

Empresa apresenta ao mercado cultivares que são sucesso em campo aberto, agora também disponíveis para uso em hidroponia

O cultivo sem solo, mais conhecido como hidroponia, ganha cada vez mais adeptos no Brasil e segue como uma grande tendência dentro do setor hortícola para os próximos anos. Dentre as principais razões para isto estão a busca por um melhor controle das condições ambientais de cultivo, maior conforto no ambiente de trabalho, além da necessidade de otimização do espaço para plantio.

De acordo com Talita Scholl, Gerente de Produtos da Sakata Seed Sudamerica, “a hidroponia tem se tornado uma excelente alternativa para a obtenção de uma produção segura, rápida (alta precocidade) e altamente produtiva (grande aproveitamento da área) em qualquer época do ano, proporcionando maior versatilidade (menor sazonalidade) e rentabilidade para os produtores de folhosas e maçarias”.

INVESTIMENTO EM PESQUISA

Atenta a este mercado que já é bastante difundido em outros países, em especial nos europeus, a Sakata deu início à criação de variedades para o sistema hidropônico no ano 2.000 e segue até hoje com grande aporte de recursos para atender este segmento de mercado emergente em território nacional. “O custo de um projeto de melhoramento é variável em função da sua complexidade e a Sakata tem investido muito neste sentido. Para se ter uma ideia, há uma equipe de 15 colaboradores dedicados exclusivamente ao melhoramento de alface, dentre pesquisadores, técnicos e equipe de campo. Além destes, outros são eventualmente agregados à equipe conforme a demanda do momento, para a condução e conclusão do trabalho em tempo hábil”, afirma a profissional.

Talita reforça que “cada sistema de cultivo demanda diferentes características de adaptação genética, tais como: arquitetura e formato de planta, distribuição e espessura de folhas, vigor do sistema radicular, tolerância às amplitudes térmicas, eficiência na absorção e uso efetivo de nutrientes, resistência às doenças, etc., são alguns exemplos de características que precisam de seleção específica para os diferentes sistemas de cultivo”.

Outro ponto relevante é a utilização de sementes nuas ou peletizadas neste sistema. “Ambas podem ser utilizadas na hidroponia, entretanto, existem muitos benefícios importantes na utilização de sementes peletizadas, como maior facilidade na operação da semeadura, melhora na germinação em temperaturas altas, maior uniformidade na emergência e formação das mudas, além de melhor adaptação à agregação de tratamentos específicos às sementes, como por exemplo, o pré-condicionamento (priming)”, comenta Talita.

PRODUTOS PARA HIDROPONIA

A Sakata tem desenvolvido diversos novos produtos que asseguram a mesma superioridade genética já comprovada em campo aberto também para cultivo em hidroponia, oferecendo um portfólio completo já adaptado para esta finalidade. Em sua linha de produtos para cultivo hidropônico estão variedades de alface, rúcula, salsa, cebolinha, coentro, agrião, almeirão, chicória e outros.

A companhia possui em seu portfólio destaques já consagrados, como a alface crespa roxa Carmim, que mesmo em sistemas hidropônicos confere coloração roxa intensa, da base à extremidade da folha. Há também a alface americana de verão Angelina, altamente adaptada às condições hidropônicas de cultivo, com plantas uniformes, vigorosas, boa formação de saia e excelente fechamento de cabeça, além de alta resistência ao Tip Burn (deficiência de Cálcio).

Agora, para o segmento de maior importância do mercado brasileiro de alfaces, as do tipo crespa verde, a gerente destaca um novo produto desenvolvido pela empresa e que promete conquistar produtores e consumidores. “Estamos lançando a alface Psiquê, variedade específica para o cultivo hidropônico. Suas plantas possuem formato ‘bolinha’, são grandes e volumosas, de coloração verde brilhante, com alta crespicidade e grande qualidade visual. Possui ciclo médio total, em hidroponia, de 45 dias. Tem alto nível de resistência à Bl raças 1 a 16, 18 a 24 e 31 (míldio), moderado nível de resistência ao Pythium, alta tolerância ao pendoamento precoce e ao Tip Burn (deficiência de Cálcio), características importantíssimas para o cultivo hidropônico, principalmente para regiões quentes. Psiquê pode ser cultivada em todo o território nacional, durante o ano todo”, revela.

CONFIRA MAIS DESTAQUES DO PORTFÓLIO PARA CULTIVO HIDROPÔNICO

Rúcula Sasha: além de muito produtiva, proporcionando alto rendimento e precocidade, a variedade tem como grande destaque a qualidade visual dos maços, muito bem formados e com folhas largas, além de apresentar alta tolerância ao pendoamento precoce.

 Alface Milena (crespa verde): múltiplas resistências aliadas à precocidade. Única variedade disponível no mercado com resistência moderada ao Vira-Cabeça (Tospovírus). Também oferece moderada resistência ao Pythium. Suas plantas de grande porte, com folhas compridas e largas, têm grande impacto visual, pois mantêm o aspecto de frescor por muito mais tempo.

Alface Regianemil (lisa): suas plantas grandes e de formato cônico, apresentam encaixe perfeito no sistema hidropônico e em embalagem plástica. Sua rusticidade e ciclo precoce conquistam produtores de hidroponia e campo aberto.

Angélica (mimosa verde): de coloração verde brilhante e folhas com bordas repicadas, a alface Angélica é uma boa opção para decoração de pratos, com excelente sabor e textura, características que são bastante atrativas comercialmente. Tem alto nível de resistência à Bl raças 1 a 17, 21, 23 e 32 (míldio). A variedade apresenta ainda boa resistência à queima de bordos (deficiência de Cálcio) e ao pendoamento precoce. Garante ainda facilidade na comercialização por possuir folhas tenras e saborosas, além de excelente coloração.

Alface Milamil (mimosa roxa): possui plantas grandes e folhas com bordas repicadas de coloração roxa. É diferenciada na comercialização por possuir folhas tenras e de excelente sabor (segmento Salad Bowl Roxa). Tem alto nível de resistência à Bl raças 1 a 17, 21, 23 e 32 (míldio), alta tolerância ao Tip Burn (deficiência de Cálcio) e ao pendoamento precoce.

Chicória Helena: tem como ponto forte a constância no fornecimento – importante para a comercialização – e a qualidade das plantas em termos de tamanho, coloração e durabilidade pós-colheita.

Cebolinha Totem: proporciona alto rendimento aliado à grande qualidade visual e e sabor.

Espinafre Pina (Japonês/Horenso): possui folhas tenras e de excelente coloração verde-escura, características bastante atrativas para o mercado.

Salsa Chácara: plantas bastante vigorosas e de grande rusticidade, resultando em maior produtividade, rendimento e precocidade.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.