Palavra do Produtor – Eduardo de Reginópolis (SP) e Renan de Pirajuí (SP)

Renan Marcato Goes
Renan Marcato Goes
Eduardo Renato Machado de Melo

Há três anos, os produtores Eduardo Renato Machado de Melo, de Reginópolis (SP), e Renan Marcato Goes, de Pirajuí (SP), deram início aos plantios em estufa das variedades de pimentões Taurus (retangular vermelho) e Camaro (retangular amarelo). Ambos estão muito satisfeitos com a produção e destacam que os dois híbridos são muito completos, quando comparados a outros existentes no mercado.

No Sítio São Francisco, o produtor Melo, que é especializado desde 1999 na produção de pimentões em cultivo protegido, explica o porquê de ter optado por trabalhar exclusivamente com essas duas variedades desde seus lançamentos. “Gosto muito da vegetação destas cultivares, pois consigo ter uma boa produtividade mesmo nos meses mais frios, com colheita durante o ano todo. Outro diferencial é o fruto padronizado, com pouca perda e grande durabilidade pós-colheita”, afirma o produtor. Ele comenta ainda que mais um atrativo é a redução do nível de aplicação de fungicida demandado por estas variedades que é de “apenas 30% do que o utilizado anteriormente em outras variedades, contribuindo inclusive para a redução de custos na produção”.

Atualmente, Melo possui 50 mil metros de estufas com Taurus e Camaro e obtém uma média de uma caixa por planta, comercializando cerca de 60 mil caixas ao ano, somando as duas variedades. Ele vende a produção em caixas de 10kg, sendo 40% dos produtos destinados para a região Sul do país e de 30% a 40% para a região Norte. “Graças ao nosso manejo e à elevada durabilidade pós-colheita dos frutos, pouca porcentagem da produção fica no Estado de São Paulo. Até o momento não houve nada melhor que se adequasse à minha área e ao meu manejo do que Taurus e Camaro”, enfatiza.

Já o produtor Goes também colhe resultados muito positivos com os pimentões Taurus e Camaro no Sítio São Sebastião. “Eu plantava várias outras variedades de pimentão, mas aos poucos fui deixando de lado e optando cada vez mais por estes híbridos da Sakata, aumentando a área de cultivo delas. Hoje, são as melhores para mim em determinados períodos do ano. O alto pegamento de frutos, o porte médio (muito desejado pelo mercado) e a alta produtividade (graças ao pacote de resistência às doenças) certamente são as melhores qualidades destas cultivares”, aponta.

O produtor cultiva 5 mil m² de Taurus e 4 mil m² de Camaro, no sistema de estufas. Em média, ele obtém cerca de 1.500 caixas por mil metros, cuja produção é inteiramente destinada para a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp).

Ambos produtores são atendidos pelo distribuidor Hidroceres e se dizem muito satisfeitos, com total confiança no trabalho prestado. Goes conta que “eles sempre estão visitando a propriedade e realizando o suporte necessário a campo”. Melo complementa enfatizando que “a equipe sempre dá as melhores sugestões em termos de novos produtos”.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.