Mercado de melão: lucro em moeda forte

Em plena ascensão, exportação da cultivar gera bons negócios para os produtores brasileiros

O mercado de produção e comercialização de melão segue aquecido no Brasil e no mundo graças à alta demanda de consumo. Atualmente o Brasil exporta para 21 países, dentre os quais: Canadá, Estados Unidos, Noruega, Rússia e demais países da União Europeia. No Estado do Rio Grande do Norte (maior produtor nacional), apenas no ano de 2018, a exportação de melão atingiu a receita de US$ 275,46 milhões, segundo o Comex.

Eduardo Cleto, Gestor de Produtos, explica que “o mercado de melão no país tem se desenvolvido principalmente no nordeste brasileiro, devido ao clima favorável para a cultura, com foco na exportação, graças à grande demanda de consumo internacional e às restrições de produção em outros países, de clima mais frio durante o inverno”.

Atualmente, os principais tipos de melões exportados são o Amarelo e o Pele de Sapo, segmentos que se encontram em plena ascensão e que são extremamente promissores no país. Considerando este contexto, a Sakata lançou mais uma variedade para o segmento de melão Amarelo, que tem como foco principal o mercado externo. A nova cultivar é o melão Dalí, que alia alta produtividade com frutos de calibre ideal e excelente pós-colheita. No segmento Pele de Sapo, a Sakata já possui duas variedades de grande destaque, que são: o Grand Prix, referência em sabor e pós-colheita, e o Asturia, que alia rusticidade e elevada produtividade.

O profissional enfatiza que a empresa prioriza trabalhar com produtos que possam atender simultaneamente as necessidades produtivas e mercadológicas, com grande êxito. “A Sakata é uma companhia que tem como foco a inovação, visando o desenvolvimento constante de novas variedades com genética aprimorada e apta para ajudar os produtores no cumprimento das exigências e dos padrões internacionais de transporte e comercialização destes frutos”, reforça Cleto.

Contexto em outros países da América do Sul

Outros polos importantes de produção estão em outros países da América do Sul, sendo os principais produtores: Chile, Argentina e Colômbia. Os segmentos mais produzidos, de acordo com o gestor, são o tipo Cantaloupe e o tipo Honey Dew, de polpa branca esverdeada. Para o mercado de Cantaloupe, principal segmento de mercado no Chile e na Colômbia, o destaque da Sakata é o melão Journey, que apresenta frutos pesados (3kg em média), excelente aspecto visual e pouca perda no pós-colheita devido à sua firmeza.

“Hoje, na Colômbia, há uma tendência de aumento dos cultivos de melões do tipo Harper, que são Cantaloupes com longo pós-colheita. No entanto, boa parte dos consumidores deste país acredita que este segmento, embora superior em pós-colheita, perde em sabor e aroma para os Cantaloupes tradicionais. Por conta disso, a Sakata lançou o Infinite Gold, melão do segmento Harper, que vem obtendo sucesso no mercado norte-americano, principalmente devido ao ótimo sabor e aroma, remetendo aos padrões dos Cantaloupes tradicionais, mas sem perder o longo pós-colheita que o mercado exige” esclarece Cleto.

O profissional explica ainda que “no caso do melão do tipo Honey Dew, segmento presente no Chile e na Argentina, o principal híbrido da Sakata é ao variedade Dulce Nectar, que possui plantas muito vigorosas e ótima cobertura vegetal, evitando a queima dos frutos pelo sol, além de colheita concentrada, o que reduz os gastos com mão de obra”.

Com todas estas opções, a Sakata oferece aos produtores diversas variedades com genética de ponta, que poderão aumentar a produtividade e o lucro, sobretudo para os que direcionarem sua produção ao atendimento do mercado internacional.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.