Palavra do Produtor: José Carlos Granghelli, de Jaguariúna (SP)

O produtor José Carlos Granghelli herdou de seu pai, juntamente com seus cinco irmãos, a propriedade na qual trabalham hoje com hortaliças, mas que no passado já foi terra de cultivo de laranjas. Após a aposentadoria do progenitor e o declínio da atividade, cada filho se especializou na produção de um tipo de cultivar. José Carlos, que era administrador de empresas em uma grande companhia situada no interior paulista, pediu demissão e há cerca de 10 anos passou a plantar abobrinha e pepino. Desde o início do seu negócio, o produtor sempre contou com a parceria da Sakata, utilizando as variedades da empresa no Sítio São José, localizado na cidade de Jaguariúna (SP).

Atualmente, Granghelli tem tido excelentes resultados com a produção e a comercialização da abobrinha Adele da Sakata. Ele cultiva a variedade desde o seu lançamento comercial, com uma média de plantio que gira em torno de três mil pés por mês. Segundo o produtor, “a baixa mortandade de plantas, por ser mais resistente a viroses, é um dos principais diferenciais da cultivar a campo”. Outro ponto de destaque para o produtor é que “a variedade exige uma menor pulverização, oferecendo maior segurança alimentar e menor custo de manejo”, argumenta.

Porém, de acordo com Granghelli, nada se compara à qualidade do produto final obtida com a variedade Adele. “Sua cor e brilho são perfeitos e diferentes de outras cultivares, tornando-a muito mais atrativa na banca, no momento da comercialização. Por conta deste seu visual, o preço de venda também é melhor e o negócio se torna mais rentável”, enfatiza o produtor. Ele comenta ainda que, para agregar mais valor à hortaliça, colhe as abobrinhas que produz em tamanho menor – que é mais atrativo para o comprador, segundo ele – e com luva, para não danificar o produto. Desta forma, o produtor afirma que consegue um destaque ainda maior para sua produção, diante das demais.

A comercialização da produção de Granghelli é toda destinada à Ceasa Campinas, seguindo de lá para os principais mercados e quitandas de toda a região. O distribuidor da Sakata que realiza o atendimento do produtor localmente é a empresa Tomatec, para a qual ele só tem elogios: “o atendimento é ótimo e sempre sou atendido prontamente quando necessito”, garante.

Alface Valentina: desempenho e qualidade herdadas de uma líder de mercado

Certamente a alface é uma das folhosas mais apreciadas pelo consumidor, sendo a tipo Crespa a mais preferida dentre todas, liderando o consumo no país. Diante desta grande demanda no mercado, a Sakata segue investindo no segmento, desenvolvendo novas opções de variedades, que atendam às exigências de cultivo e de consumo.

Depois da consagrada alface Vanda, que é uma referência no mercado até os dias atuais, liderando inclusive as vendas em algumas regiões por quase duas décadas, a Sakata lança a alface crespa Valentina, que mantêm as qualidades excepcionais de sua antecessora – como rusticidade em qualquer situação e adaptação às condições tropicais de cultivo – juntamente com novas características, como: plantas de porte grande, com folhas compridas; talo grosso; e sistema radicular muito vigoroso.

Outro diferencial da variedade é o seu pacote de resistência à queima de borda (deficiência de cálcio) e ao LMV-II; bem como à Fol raça 1 (Fusariose) e ao Bl raças 1 a 16, 21 e 23 (míldio).

Indicada para plantio durante o ano todo nas principais regiões produtoras de alface, a Valentina apresenta um ciclo de produção precoce, em média de 55 dias da semeadura à colheita, possibilitando redução do custo quanto à manutenção das plantas no campo.

Confira os destaques do portfólio da Sakata no mês de julho

Neste mês de julho, a Sakata selecionou quatro variedades do seu portfólio, que prometem se destacar no mercado. No segmento de Flores, a variedade selecionada foi a flor Lisianthus Rosanne 2 Green, lançamento da Sakata. Já no segmento de Hortaliças, os destaques são a pimenta Don Santino, o quiabo Quiabel e o Porta-Enxerto AF 8253, outras três novidades recém-lançadas.

Saiba mais sobre os diferenciais destes produtos no link: http://www.sakata.com.br/50anos_julho

Lançamento: Lisianthus Rosanne 2 Green é a nova flor da Sakata

A Sakata continua inovando e acaba de lançar mais uma grande novidade para o mercado de Flores: a nova série Lisianthus Rosanne 2 Green. A variedade promete agradar tanto produtores quanto atacadistas e decoradores, devido aos seus atrativos.

A flor, cujo tamanho varia entre 7 cm e 9 cm, possui uma coloração verde brilhante, que chama a atenção e a destaca diante das demais. O Lisianthus Rosanne 2 Green apresenta ainda borda franjada e pétalas bastante espessas proporcionando uma boa durabilidade pós-colheita, bem como resistência no transporte.

Esta variedade pode ser semeada durante a meia estação, e suas sementes e mudas já estão disponíveis para compra nos distribuidores e viveiristas parceiros da Sakata.

Sakata realiza 1° Workshop de Abóbora no oeste do estado de São Paulo

A Sakata realizou, no dia 28 de junho, o primeiro Workshop de Abóbora no município de Osvaldo Cruz, região oeste do estado de São Paulo, em conjunto com o distribuidor Semeplus Agrocomercial e a empresa Agrocete Grap. O evento reuniu 25 participantes, dentre produtores de abóbora e melancia, além de representantes das revendas que atuam na região, como a Cooperativa Casul de Parapuã (SP), e também consultores.

Na ocasião, Eduardo Cleto, Gestor de Produtos da Sakata, proferiu uma palestra sobre o cenário nacional do cultivo de abóbora e melancia, as principais regiões produtoras e suas realidades, bem como as perspectivas de mercado para 2018. Já Israel Leite, Pesquisador-Melhorista de Abóbora da Sakata, falou sobre o trabalho de melhoramento genético que é desenvolvido pela empresa e apresentou alguns destaques do portfólio, abordando aspectos como manejo nutricional e cuidados contra as doenças e pragas que atingem a cultura. Por fim, Eduardo Souza, Assistente Técnico de Vendas da Sakata, apresentou detalhes do Projeto Batã para os participantes.

  

Sakata oferece sementes para cultivo até embaixo d’água

Esforços de pesquisa da empresa também são direcionados para criação de genética adaptada à crescente adesão ao cultivo hidropônico no país

Ao longo dos últimos anos, tem crescido a preferência pelo cultivo em hidroponia por parte de produtores de folhosas, principalmente de alface, em todo o Brasil. A técnica, que é um tipo de cultivo protegido, consiste em utilizar uma solução aquosa em substituição ao solo. Dentre as principais vantagens deste sistema estão: a padronização e o melhor controle do ambiente radicular e do crescimento vegetativo das plantas; redução no uso da água e de agroquímicos; uso eficiente de fertilizantes; melhor ergonomia no manejo; alta qualidade e precocidade do produto final; maior quantidade de produção por metro quadrado, dentre outros benefícios.

Vale ressaltar apenas que, para a implementação e uso do cultivo hidropônico, é necessário que o produtor tenha a estrutura básica necessária, conhecimento específico sobre os aspectos nutricionais demandados, além dos insumos adequados para produção neste tipo de ambiente, a fim de obter resultados satisfatórios. Por isso, segundo a Gestora de Produtos da Sakata, Talita Scholl, um dos pontos de maior importância para produção em hidroponia é a escolha correta das variedades que serão utilizadas. “É preciso que as sementes adquiridas sejam de cultivares adequadas e adaptadas para utilização neste tipo de sistema de cultivo, assegurando uma melhor performance na produção”, explica.

Para atender esta demanda crescente de mercado, a Sakata tem desenvolvido todos os anos, novos produtos que oferecem a mesma superioridade genética já comprovada em campo aberto, também para o cultivo hidropônico e em ambiente protegido. Prova disto é o seu atual e extenso portfólio de produtos, com variedades que apresentam as características ideais para uso em hidroponia que contemplam culturas como alface, rúcula, salsa, cebolinha, coentro, agrião, almeirão, chicória, mini couve-chinesa, dentre outras.

Um dos destaques é a alface Isadora, do tipo Crespa. “Ela possui grande flexibilidade na colheita, assegurando que as plantas mantenham um padrão comercial por muito mais tempo, além de resistência às principais raças de míldio. Outros diferenciais da Isadora são a coloração verde escura brilhante, as folhas largas e a alta crespicidade, que chamam a atenção do consumidor nas gôndolas”, afirma Talita.

No segmento de alface Crespa Roxa, a profissional aponta a variedade Carmim como a de maior destaque, pois “a cultivar apresenta coloração roxa intensa, mesmo em sistema hidropônico, além das mesmas resistências ao míldio que a alface Isadora possui, acrescida de moderada resistência ao Pythium”, sinaliza ela. Já na categoria de alface do tipo Americana de Verão, a gestora indica a variedade Angelina como a mais interessante, “por ser altamente adaptada às condições hidropônicas de cultivo”, enfatiza.

Além destes, muitos outros produtos que compõem o portfólio da Sakata se destacam e são recomendados para o cultivo hidropônico. Confira abaixo, outras variedades da empresa que são destinadas também para a produção em hidroponia.

Alface Milena (Crespa): reúne resistência à precocidade e ao Pythium, além de ser a única variedade disponível no mercado com resistência moderada ao Vira-Cabeça (Tospovírus). Suas plantas de grande porte, com folhas compridas e largas, impactam visualmente, pois mantêm o aspecto de frescor por muito mais tempo.

Alface Regiane (Lisa): suas plantas grandes e de formato cônico, apresentam encaixe perfeito no sistema hidropônico e em embalagens plásticas. Sua rusticidade e ciclo precoce conquistam produtores de hidroponia e de campo aberto.

Angélica (Mimosa): de coloração verde brilhante e folhas com bordas repicadas, a alface Angélica é uma boa opção para decoração de pratos, com excelente sabor e textura, características bastante atrativas. A variedade apresenta ainda boa resistência à queima de bordos (deficiência de Cálcio), ao pendoamento precoce e às principais raças de míldio que acontecem no Brasil.

Alface Mila (Mimosa Roxa): possui plantas grandes e folhas com bordas repicadas de coloração roxa. É diferenciada na comercialização por possuir folhas tenras e de ótimo sabor (segmento Salad Bowl Roxa).

Chicória Helena: tem como ponto forte a constância no fornecimento – aspecto importante para a comercialização –, e a qualidade das plantas em termos de tamanho, coloração e durabilidade pós-colheita.

Rúcula Astro: além de muito produtiva, conferindo rendimento e precocidade, a variedade tem como grande destaque a qualidade visual dos maços, muito bem formados e com folhas largas.

Salsa Chácara: variedade com plantas rústicas e vigorosas, resultando em alta produtividade, rendimento e precocidade.

Cebolinha Totem: proporciona alto rendimento aliado à qualidade.

Minicouve Chinesa Sayuri: com peso médio de 1,5kg e formato oval, possui folhas enrugadas e crocantes, de cor verde clara brilhante e sabor mais adocicado. Seus grandes atributos são a ausência de tricomas nas folhas externas, tamanho diferenciado (mini), adaptação ao cultivo hidropônico e possibilidade de cultivo durante o ano todo.

Espinafre Pina (Japonês/Horenso): possui folhas tenras e de excelente coloração verde-escura, características bastante atrativas para o mercado.

Hidroponia: surpreenda-se com as sementes da Sakata

O cultivo em sistema hidropônico é um segmento de mercado em plena expansão e repleto de oportunidades para os produtores. Busca-se cada vez mais ter controle sobre as condições ambientais de cultivo, com maior conforto no ambiente de trabalho, além da necessidade de se otimizar os espaços para plantio nas propriedades. Tudo isso é possível com a hidroponia, que é atualmente uma alternativa de produção bastante viável e mais rentável, por proporcionar uma produção segura, rápida (com maior precocidade) e altamente produtiva (grande aproveitamento da área) em qualquer época do ano. Este conjunto de fatores têm impulsionado o grande crescimento da produção de hortaliças, por meio de cultivo protegido, em especial, a hidroponia.

Atenta à essa forte tendência apresentada pelo mercado hortícola, os trabalhos de melhoramento genético da Sakata, direcionados para a criação de variedades compatíveis com o sistema hidropônico, foram pioneiros e tiveram início em 2000. A expertise da área de Pesquisa da companhia sempre entendeu que diferentes sistemas de cultivo demandam diferentes características de adaptação, tais como: arquitetura e formato da planta; distribuição e espessura das folhas; vigor do sistema radicular; tolerância às amplitudes térmicas; eficiência na absorção e uso efetivo de nutrientes; resistência às doenças, dentre outras.

Visando a obtenção de variedades adaptadas aos diferentes sistemas de cultivo, A Sakata investe massivamente em pesquisa de melhoramento genético convencional em condições tropicais. No caso de uma nova cultivar de alface, por exemplo, são necessários, em média, dez anos para o seu desenvolvimento, sendo que, apenas na etapa do melhoramento genético consomem-se de seis a sete anos do total. Concluída esta primeira etapa, leva-se de três a quatro anos para a sua validação nas diferentes regiões, épocas e tipos de cultivo.

Boa leitura!

Aniello Antonio Cutolo Filho, Coordenador de Melhoramento Genético da Sakata

Palavra do Produtor: André Leme, de Senador Amaral (MG)

Especializado na produção de brócolis e morango, o produtor André Leme, proprietário do Sítio da Toca, localizado no município de Senador Amaral, em Minas Gerais, já é parceiro da Sakata há mais de seis anos, época na qual também começou com o plantio de brócolis, a fim de suprir uma demanda de mercado localmente. Depois disso, expandiu ainda mais seus negócios, aumentando a produção e a comercialização por todo o estado.

Atualmente, a totalidade da produção de brócolis de André Leme – cujo volume é de 50 mil plantas, a cada dez dias –, é exclusivamente da variedade Avenger da Sakata, líder de mercado. Segundo Leme, apesar de produzir durante o ano todo, “o período do inverno é a melhor época do ano para plantar e comercializar a hortaliça, com a obtenção dos melhores produtos a campo”, afirma.

Dentre os diferenciais da cultivar da Sakata, Leme destaca a excelente qualidade no desenvolvimento a campo, bem como a durabilidade e a aparência do produto. “São muitos os fatores que diferenciam a variedade Avenger das demais. Os atributos vão desde o fechamento de cabeça, até a conservação pós-colheita e o verde mais intenso do produto final. Esta coloração mais acentuada ajuda muito na hora da venda, sendo bem mais atrativa para o cliente. Outro ponto de destaque é o seu padrão mais achatado, melhor para ser colocado em bandejas”, explica Leme.

O produtor comercializa seus produtos já 100% embalados, em bandejas, diretamente para mercados atacadistas, sendo 90% destinados para estabelecimentos do estado de Minas Gerais e 10% para outros estados do país. André Leme salienta, por fim, que é atendido pelo distribuidor local Tomatec e sempre que precisa obtém o suporte necessário para o seu cultivo, junto aos profissionais da empresa.

 

Pimentão Mirella combina rusticidade com alta produtividade e qualidade

A Sakata é reconhecida no mercado pela sua linha de pimentões revolucionária. O portfólio da empresa continua evoluindo e acaba de ganhar mais uma excelente opção para os seus clientes: o pimentão Mirella.

Esta variedade do segmento Lamuyo é altamente rústica e apresenta um excelente pacote de resistências a doenças, aliado à alta produtividade e qualidade de frutos. Possui uma planta vigorosa, que proporciona proteção aos frutos, evitado perdas por queimaduras de sol, além de alto pegamento sequencial de frutos. O formato, o tamanho e a coloração verde brilhante da variedade facilitam a comercialização no mercado.

Dentre as múltiplas resistências do pimentão Mirella estão: alto nível de proteção contra Xanthomonas (raças 0, 1, 2, 3, 7 e 8) e nematoides (Mi 1  a 4, Mj), além das viroses PVY (estirpes P0, P1, P1,2) e ToMV (estirpe Tm1). Um pacote que garante muito mais segurança de produção em condições climáticas adversas, principalmente nas épocas quentes e chuvosas.

Com o novo pimentão lamuyo Mirella, a Sakata atende a demanda de produtores e consumidores, oferecendo um material com genética apurada, desenvolvida pela empresa que é líder em sementes de pimentões em todo o território nacional.